0
0



O vinho mais pontuado de sempre da Malhadinha Nova por Robert Parker


Foi em abril de 1949, na Primavera da sua vida que Isidro Francisco Patriarca, decidiu dar início a uma obra que acabaria por se confundir com a sua própria razão de existir.
Herdeiro de uma das courelas de Vale Travessos, pequenas parcelas de terra cedidas, no início do século, aos seus trabalhadores por um rico agricultor da região, Isidro Francisco, resolvera
com apenas vinte anos, plantar nessa sua terra, perto de cinco mil cepas de vinha.

Ao longo de quase sete décadas, percorreu dia após dia os sete quilómetros que separam a aldeia de Albernoa das courelas de Vale Travessos.
Ao longo de quase sete décadas, Isidro Francisco fez nascer, criou e cuidou, como se dos seus
próprios filhos se tratasse, de cada uma das suas plantas.

Isidro Francisco, agora aos 87 anos, sereno e plenamente consciente da necessidade de procurar uma solução para a sobrevivência da sua vinha, encontrou na família Soares e no seu trabalho realizado na Herdade da Malhadinha Nova, ao longo dos últimos 20 anos, a forma segura de dar continuidade à obra da sua vida.

"...Oh Alentejo esquecido
Inda um dia hás-de cantar

(Cantos Alentejano, Zeca Afonso)

O Sr. Isidro Francisco Patriarca colheu o primeiro cacho dos 535kg de uva tinta e 1249kg de uva branca desta vindima de 2016, que após vinificação com extrema dedicação de toda a equipa da Herdade da Malhadinha Nova e estágio prolongado em barricas de carvalho francês deram origem a 370 garrafas de vinho tinto e 670 garrafas de vinho branco "Vale Travessos Vinhas Velhas".

Por forma a homenagear o Sr. Isidro e manter uma ligação sorte à sua vida passada toda ela na aldeia de Albernoa, decidimos mandar reproduzir algumas peças do típico azulejo hidráulico existente no pavimento de sua casa. Azulejo esse que acompanha, numa embalagem muito especial, as primeiras garrafas de Vale Travessos Vinhas Velhas.



Tipo: Tinto
Classificação: Vinho Regional do Alentejo
Castas: Alicante Bouschet, Aragonez, Trincadeira, Touriga Nacional, Moreto e Castelão
Estágio: 18 meses em barricas de Carvalho Francês
Álcool: 14,8%

“Dramaticamente diferente dos típicos “grandes tintos”
da Malhadinha, este é mais leve e não recorda tanto
compotas, relativamente falando. Tem uma sensação
mais brilhante, um toque de delicadeza e mais finess. A
textura mais sedosa aumenta o apelo. Como está, com
certeza, expande-se no vidro, mas profundidade não é
realmente o ponto aqui, mesmo que tenha uma quantidade
respeitável. Existe uma verdadeira espinha dorsal.
O acabamento longo e refinado faz isso parecer bastante
sofisticado também. É excecional e provavelmente terá
uma longa vida pela frente.”

Tipo: Branco
Classificação: Vinho Regional do Alentejo
Castas: Antão Vaz, Roupeiro, Arinto, Manteúdo e Perrum
Estágio: 12 meses em barricas de Carvalho Francês
Álcool: 12,5%


“Foram produzidos apenas 500 litros a partir de uma
vinha plantada em 1949... Suave e um pouco cremoso ao
início, com boa aderência no acabamento. Realmente
gostei do suculento e fresco final com traços de giz,
amêndoa e melão seco.”